Economia do País está melhorando mas ainda faltam empregos!

Economia do País está melhorando mas ainda faltam empregos!
O drama dos desempregados persiste no país num começo de 2018 também cruel para um universo de pessoas nem sempre lembrado nas estatísticas. São aqueles que gostariam e estão disponíveis para trabalhar, mas por algum motivo não estão procurando emprego e gente empregada com jornada inferior a 40 horas semanais porque não consegue outra oportunidade. O conjunto desse grupo e dos desempregados, caracterizado como a força de trabalho subutilizada, somou 2,9 milhões de pessoas em Minas Gerais de janeiro a março, número recorde na série histórica de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em 2012.

Eles retratam, da mesma forma, a taxa mais elevada que o IBGE apurou, de 24,4% no primeiro trimestre, e que havia sido alcançada de janeiro a março de 2017. No Brasil, diferentemente da visão otimista sobre a recuperação da economia que vinha sendo alardeada pelo governo, falta trabalho para 27,7 milhões, representando 24,7%, proporção um pouco superior a de Minas.

desemprego teima em subir – aumentou no estado de 10,6% entre outubro e dezembro do ano passado para 12,6% no primeiro trimestre de 2018 – desafiando os indicadores que vêm mostrando a recuperação do país, a exemplo dos índices de confiança de empresários da indústria e do comércio. Preocupa em Minas o fato de a pesquisa do IBGE ter apontado três quedas significativas, de janeiro a março, do contingente de pessoas que estão trabalhando, 9,8 milhões ao todo.

Caiu 6,7% o nível do emprego na indústria mineira da construção civil, frente ao último trimestre do ano passado, seguido das retrações de 5,1% do comércio e de 3,2% na administração pública e serviços de educação e saúde, na mesma base de comparação. A rigor, nenhum dos segmentos da economia apresentou aumento da ocupação relevante no primeiro trimestre, destacou Gustavo Fontes, coordenador em Minas da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.

“É um cenário complicado (o do Brasil) para fazer avaliações. Os dados mostram piora no trimestre e uma taxa de desocupação ainda elevada, mas existe melhora na comparação com um ano atrás e o emprego com carteira de trabalho parou de piorar”, afirma. No primeiro trimestre de 2017, a taxa de desemprego era maior, de 13,7% no estado e no Brasil. Em Minas, 1,42 milhão estão desempregados.

Outra leitura da estatística está associada à diferença de sazonalidade entre o último trimestre de um ano, quando a economia, em geral, está aquecida pela injeção do 13º salário e demanda motivada pelas festas de fim de Natal e Ano-novo; e os primeiros três meses do ano seguinte, marcados por mais despesas com o pagamento de impostos e gastos com educação, além das férias. Trata-se de um período sem datas comemorativas.

Desalento 

O comportamento típico da economia e a circulação de dinheiro em diferentes direções nos dois trimestres comparados, de acordo com Gustavo Fontes, tem peso importante nos indicadores do mercado de trabalho, mas não significa que são o bastante para entender toda a diferença. “É preciso de mais um trimestre de dados para sabermos se a sazonalidade explica a piora dos números”, diz o coordenador do Pnad Contínua em Minas.

A queda do nível do emprego no comércio, por exemplo, pode ser justificada em razão do fim dos contratos temporários de trabalho no setor típicos do período de outubro a dezembro. Em Minas, dos 8,9 milhões de trabalhadores ocupados de janeiro a março, 3,62 milhões atuavam com a carteira assinada; 2,33 milhões eram de   pessoas trabalhando por conta própria, universo que cresceu 8,9% ante o primeiro trimestre de 2017, e 1,21 milhão não tinham registro formal.

Parte da queda no desemprego no Brasil entre o primeiro trimestre de 2017 e os três primeiros meses deste ano, de 13,7% para 13,1%, reflete o aumento da subutilização da força de trabalho e do desalento, de acordo com  Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE. “Parte da população que saiu do desemprego foi para o desalento ou continua subocupada”,  observou. Para o pesquisador “o retrato geral é que o mercado de trabalho continua ainda em uma situação bastante desfavorável.”

EM MG
(1º trimestre de 2018)

12,6%
Taxa de desemprego

9,8
milhões
Número de ocupados

1,42 milhão
Desempregados

2,9
milhões
Força de trabalho
subutilizada
(inclui os desempregados)